Anderson Trindade - Neve - Esportes de neve - Turismo de neve

Valle Nevado

Anderson Trindade
Valle Nevado

Março de 2009

Ski, Snowboard, ou Chocolate & Lareira? Qual tua preferencia?

Se me permite, a pergunta sugere uma resposta combinada, isto é, gostar de uma coisa não impede que gostemos de outras. Poderíamos dizer o seguinte: Que tal um chocolate na frente de uma lareira na montanha após subir e descer enlouquecidamente de SNOWBOARD? Essa seria a resposta ideal. Se a intenção foi saber se prefiro ficar no hotel à frente da lareira ou surfar, ASSEGURO: SNOWBOARD!

Qual o motivo desta preferencia?

O snowboard é um esporte relativamente novo pra mim, pois fui devidamente apresentado a ele em 2006, no nada mais nada menos centro de ski VALLE NEVADO – CHILE. Para ser sincero, a apresentação inicial de esportes de neve foi com os TEMIDOS (DEPOIS EXPLICO!) SKIS, mas o snowboard foi uma verdadeira descoberta. Posso dizer que o motivo da preferência está diretamente relacionado com o fato de morar num país tropical, cuja prática constante do esporte se torna muito difícil, sem contar, é claro, com a sensação de liberdade, velocidade, medo, adrenalina e tudo o mais que quiserem se tem em cima dessa prancha.
O segredo é a cautela e a imaginação.

Na tua opinião, qual o melhor centro de ski da América do Sul? Por que?

Não tenho conhecimento de todos os centros de ski da América do Sul, mas dentre os que conheço (valle nevado, farellones, el colorado, cerro catedral, cerro campanário, cerro otto, portillo) poderia dizer que em termos de charme o Valle Nevado (Chile) está na frente, porém em termos de emoção e de diversificação está o Catedral (bariloche), com inúmeros restaurantes, passeios exóticos, moto-neve, heli-ski, dentre outros.

Alguma dica especial deste lugar para passar adiante?

Como indiquei 2 centros com características distintas, poderia AFIRMAR o seguinte: Por melhor que seja o hotel, o quarto e a cama e por mais quentinhos e aconchegantes que sejam os demais ambientes da estrutura hoteleria, NÃO FIQUE PARADO! Saia pra rua, brinque, tire fotos, faça filmagens, participe de festas, faça amizades, aprenda o ” portunhol ” e encante-se com a hospitalidade dos povos de montanha… e, claro, ESQUIE! Pode ter certeza que os momentos “perdidos” serão tão lembrados (lastimados) quanto os mais divertidos. rss

Alguma outra estação de ski que gostarias de comentar?

Portillo (chile), essa estação deixou água na boca (não pudemos fazer tudo por falta de tempo), pois além de muito bonita, tem características muito peculiares: afinal, sua história começou como um hotel pequeno e modesto, e se tornou numa grande e importante estação chilena que testemunhou recordes mundiais no esporte. É muito próxima do ACONCÁGUA, e deve ser curtida a fundo. Dica: surfe na neve a vontade, mas curta a natureza e a oportunidade de conhecer o maior pico da américa a pouquíssimos quilômetros dali.

Na tua opinião, qual o centro de ski ideal para ir com a família?

Essa pergunta é bastante difícil, pois não define qual o tipo de família (crianças, idosos, jovens, casais). No meu caso, em todas as ocasiões que tive oportunidade estava muito bem acompanhado de minha esposa (Janice) e posso dizer que quanto maior a estrutura do centro de ski melhor, pois atende aos interesses de todos. Dentre eles, Valle Nevado, Portillo e Cerro Catedral.

Tens alguma(s) dica(s) que gostarias de passar para turistas, esquiadores e snowbordistas, sejam iniciantes ou experts?

Dicas para iniciantes e turistas são mais fáceis de dar uma vez que estou inserido nessa categoria, pois sendo tudo novidade cada palavra se torna uma dica. A primeira e mais importante delas é: CUIDADO! A neve é linda, branca, fofa, geladinha, suave, seca (ou molhada!), mas também pode ser DURA, RÁPIDA E PERIGOSA. Às vezes me pergunto COMO ALGO TÃO DELICADO E SUTIL PODE PROVOCAR ESTRAGOS TÃO GRANDES. Onde existe neve há também, além da beleza natural, situações extremas que os brasileiros não estão acostumados a viver. O frio cortante num ambiente de neve pode ser perigoso, e se não for bem administrado pode levar a consequências desastrosas. Todas as estações de esqui que comportam hotéis e pousadas estão estruturadas para esses cuidados com o frio, mas não custa atenção redobrada com crianças que suam muito e depois, por conta do calor, se expõem ao frio.

Há quem pense que não existe calor na neve, mas as vezes existe sim, e isso faz da PISTA UM PERIGO MAIOR, pois torna a neve molhada e escorregadia demais.

A melhor neve é a A SECA. En polvo, como chamam os hermanos.

Outra dica, A PRINCIPAL DELAS, mas essa exclusivamente para os iniciantes do esporte:

SAIBA CAIR, POIS…. VOCÊ VAI CAIR! NÃO TENTE NEGOCIAR O INEGOCIÁVEL. A diferença é que sabendo que vai acontecer vc pode se prevenir. RSS

Deste a primeira experiência com neve carrego um certo temor com SKI, em função dos riscos que ele traz para os joelhos. Esse equipamento exige bastante esforço da estrutura do joelho como um todo (pra frente, para trás, para os lados, pra dentro e pra fora).

Se sua musculatura não estiver bem fortalecida aproveite o esporte com outros órgãos muito importantes do corpo. OS OLHOS!

Para os experts, a única dica que posso dar é que sejam cordiais e lembrem que JÁ FORAM INICIANTES, afinal esse esporte não tem lugar para superioridades. Um expert que se preze sempre vai ajudar um iniciante, ao invés de se sobrepor a ele.

Alguma história para contar?

Histórias para contar são muitas, mas os tombos dão mais ibope! rsss

A primeira delas foi um tombo que levei no VALLE NEVADO, com o SKI.

Cair é natural, cair muito também. Aliás, VOCÊ VAI CAIR (lembra?), mas acho que uma boa CAÍDA, que gera risadas e fotos, é aquela que você leva mais gente com você! hahah. Se estiverem filmando melhor ainda, e se o “strike” for na PRODUÇÃO DE UM REALITY SHOW CHILENO, MELHOR AINDA! Pois é, aconteceu comigo no Chile, em 2006, durante as filmagens de um programa de televisão chileno. A sorte é que minha gentil esposa riu no momento do “strike” e só filmou o pessoal me juntando, mas que levei uns comigo pro chão, levei!

Nessa hora entra uma das dicas que dei lá em cima: FAÇA AMIGOS! hehe

A outra história foi em 2007 em Bariloche, enlouquecido rumo ao cerro Catedral.

Após uma nevasca fenomenal, com 27 graus abaixo de zero (que foi gerar neve até em buenos aires), a agência local cancelou o passeio do dia, pois o cerro tinha sido fechado e as estradas bloqueadas!

Ocorre que a vontade de surfar era tanta que combinamos (sempre com a minha pacienciosa esposa) que iríamos ao Cerro de ônibus local mesmo. As pessoas andando com protetores nos calçados para não cair, os carros com correntes nos pneus, as estradas bloqueadas, e os aventureiros aqui indo de ônibus.

Surpresa geral, o ônibus no meio do percurso interrompe a viagem (15km antes do Cerro) e decide voltar, pois a estrada tinha sido bloqueada (era verdade o papo da agência! rss) em face de uma manifestação de trabalhadores da montanha que queriam aumento de salários.

Ao descermos no ônibus, um pessoal seguiu caminho a pé, e ficamos ali andando em círculos e deixando pegadas na neve até decidirmos o que fazer.

Seguíamos a turma de doidos (15km subindo a pé na neve?!? pergunta da agora apreensiva esposa) ou voltávamos para o hotel? Admito que essa última hipótese nem me passou pela cabeça!

Depois de alguns minutos de indecisão e argumentações recíprocas decidimos iniciar processo de subida (hahaha, até parece!). Paisagem espetacular, branco alvo por todos os lados, estrada deserta, uma montanha gigante e um “pequeno” trecho de 15 km a percorrer num frio “moderado” de 1 grau.

Papo vai,papo vem, e após míseros 500 metros de caminhada (difícil) Janice, entre umas brincadeiras e outras, me dá um leve (leve mesmo) toque no ombro.

FOI O QUE BASTOU!

Levei um tombo cinematográfico (outro) naquela neve escorregadia. Essa situação gera gargalhadas até hoje acrescidas da expressão – 15 KM NEVE ACIMA? ATÉ PARECE!

Resumo da história, um motorista que passava pelo local, sensibilizado pela visão de um turis-snow-aventureiro desabando no chão, nos deu carona até a barreira de manifestantes, e depois conseguimos outra até a base do cerro.

Chegando lá, centro completamente vazio em pleno JULHO: sobraram as pistas pra nós. Equipamentos alugados, algumas esquiadas, subimos pelo teleférico até um ponto na montanha, após um tombo com pequena lesão da excelentíssima esposa (a essas alturas já um pouco brava) enfrentamos uma nevasca assustadora que foi congelando os lábios e as palavras.

A salvação: um chocolate com lareira no meio da montanha para derreter o picolé-esposa, após esquiar bastante, sofrer um bocado pra subir, e IMAGINAR como seria a descida.

Bom, acho que isso explica um pouco a primeira pergunta. LAREIRA, CHOCOLATE E MUITA NEVE… SEMPRE COM SNOWBOARD!

BOA VIAGEM!

PROFISSÃO: Advogado e Trader
CIDADE: Porto Alegre – RS
IDADE: 38 anos